Visit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On TwitterCheck Our Feed

Archive for: noviembre 2013

Consumidor! O Poder da Reclamação!

Muitas vezes os consumidores são lesados e acabam deixando para lá porque o valor é baixo ou acha que vai dá muito trabalho. Realmente, em muitos casos ingressar no judiciário com advogado ou mesmo sem é muito caro, principalmente pelo tempo que se leva para conseguir a solução para o conflito.

SAC – Serviço de Atendimento ao Consumidor

Um caminho que de pode seguir é reclamar direto com os SACServiço de Atendimento ao Consumidor; ou pode fazer reclamação nos sites na internet como o ReclameAQUI.

É certo que o consumidor pode ficar meio desconfiado se esses meios realmente funcionam, pois não há poder coercitivo. Entretanto, a propaganda negativa gerada por esse tipo de reclamação é muito pior para a empresa do que tentar solucionar a questão, principalmente, quando se trata de pequenos valores ou de mera insatisfação em relação ao produto ou serviço.

Exemplos de como funciona o sistema

Leia mais

Banco de Dados e Cadastros de Consumidores. Entenda!

Considerações sobre Banco de Dados e Cadastro de Consumidores à luz do Código de Defesa do Consumidor 

*Por Jaivan Dantas de Moraes

1 INTRODUÇÃO

O mercado de consumo, atualmente, integra o cotidiano da sociedade de modo indelével. As relações de consumo paulatinamente tornam-se mais complexas tanto do ponto de vista fático quanto do jurídico. E, por isso, à semelhança do que acontece com outras relações sociais, o Direito disciplina-as de sorte a controlá-las e mantê-las com certa harmonia, a fim de que os conflitos sejam substancialmente amenizados.

O Direito do Consumidor visa a regulamentar as relações de consumo, tendo em vista a nítida desigualdade entre as partes envolvidas: consumidor e fornecedor. Objetiva, dessa forma, efetivar o princípio da igualdade nas transações consumeristas segundo a máxima “deve-se conferir tratamento igual aos iguais, e desigual aos desiguais, na razão em que se desigualam”, como remotamente já apregoavam o filósofo Aristóteles e o jurista brasileiro Ruy Barbosa.

Leia mais